Câncer Anal: Tudo o que precisa saber

5/23/2022

O câncer anal acomete a região da borda do ânus até a parte interna do canal anal. Na maioria dos casos são tumores malignos, sendo o carcinoma espinocelular responsável por 85% desses tumores. Felizmente o câncer de ânus não é frequente, representando apenas 1 a 2% dos tumores colorretais.

Quais são os fatores de riscos para câncer anal?

  • Infecção pelo HPV;
  • Infecção pelo HIV;
  • Prática do sexo anal;
  • Tabagismo;
  • Higiene inadequada da região anal associada a lesões de pele crônicas;
  • Fístula anal que não foi tratada adequadamente e que cronificou;
  • Pessoas imunodeprimidas por outras doenças ou medicações.

Como evitar o câncer de ânus?

O câncer anal possui íntima relação com doenças sexualmente transmissíveis (DST), desta forma uma medida importante é prevenir o contágio por papilomavírus humano (HPV) e pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). O uso de preservativos é fundamental, assim como diminuir atividades de risco. 

Outra importante medida é suspender o tabagismo e cuidar da imunidade. 

Quais os sintomas do câncer anal?

Homens e mulheres que desenvolveram o câncer de ânus podem apresentar como principais sintomas:

  • Dor anal durante a evacuação;
  • Dor anal no ato sexual anal;
  • Sangramento anal;
  • Coceira ou prurido anal;
  • Secreção de muco ou pus;
  • Nodulação anal;
  • Incontinência fecal (perda de fezes sem perceber).

Diagnóstico do câncer anal

O diagnóstico desses tumores anais pode ser suspeitado inicialmente por meio do exame proctológico de toque retal, que pode identificar uma tumoração endurecida, dolorosa e sangrante. Caso haja a suspeita de tumor anal ou tumor de reto procede-se com o exame de anuscopia, que será seguido pelo exame de colonoscopia

A tumoração deve ser biopsiada para estudo anatomopatológico, que vai definir que tipo de tumor e qual o tratamento necessário. Se confirmado, também são realizados os exames de tomografia computadorizada de abdome e toráx, para avaliar possíveis metástases e a ressonância nuclear magnética de pelve para avaliar a profundidade de tumor, se houve infiltração no esfíncter anal e se existem linfonodos (gânglios linfáticos) comprometidos.

Qual o tratamento para o câncer anal?

O tratamento do câncer anal vai depender do tipo de tumor e dos resultados dos exames realizados para a avaliação do grau de extensão da doença e se existem metástases, que é o estadiamento tumoral

Geralmente, nos casos em que a doença reside somente no ânus, é possível realizar o tratamento sem cirurgia, aplicando-se somente sessões de radioterapia e quimioterapia

Caso a doença não responda ao tratamento com radio e quimioterápico pode ser necessário o tratamento cirúrgico, que consiste na amputação do reto e ânus (amputação abdominoperineal), ou seja, o tumor é extraído em conjunto com o reto e ânus e é confeccionada uma colostomia definitiva no abdome do paciente.

 

Uma imagem contendo DiagramaDescrição gerada automaticamente

Agende sua consulta agora.

Obrigado. Em breve entraremos em contato.
Ops... Alguma coisa deu errada. Tente atualizar a página.