Minilaparoscopia: características e vantagens da técnica cirúrgica

2/9/2021

Bastou falar em cirurgia e muita gente já se assusta pensando em pós-operatório e cicatriz, mas a minilaparoscopia vem para amenizar significativamente essas preocupações.

Hoje eu vou falar sobre essa técnica que representa um avanço tecnológico positivo nesse sentido e que beneficia tanto você, paciente, como o cirurgião, que pode trabalhar com melhores resultados estéticos das cicatrizes da laparoscopia.

Tanto a laparoscopia convencional como a minilaparoscopia são técnicas de videocirurgia minimamente invasivas, que apresentam melhores resultados no tempo de recuperação do paciente, melhor resultado estético, menos sangramento, menos infecção de feridas e mais rápido retorno para atividades de trabalho e exercícios, quando comparadas com a cirurgia tradicional aberta.

Quando escolher pela minilaparoscopia?

 Quando o paciente busca além da resolução do seu problema de saúde, a  segurança da sua cirurgia e uma boa estética em relação às cicatrizes, a minilaparoscopia com certeza representa a alternativa mais lógica e segura!

 

As características da minilaparoscopia

 

A diferença entre laparoscopia e minilaparoscopia é que, no primeiro caso, os instrumentos usados têm de 5 a 10 mm. Já no segundo, eles têm até 3 mm no máximo. 

A cirurgia e o tempo de duração das duas técnicas é o mesmo, o que muda é somente o tamanho dos cortes dos furos!

Os pequenos cortes necessários para passar os instrumentos de cirurgia, inclusive a câmera, não passam de 5mm.

Para se ter uma ideia da delicadeza desse tipo de operação, pontos podem não ser necessários na minilaparoscopia, sendo possível fechar os furos somente com cola de pele. 

Mas, será que todas as cirurgias podem ser feitas a partir dessa técnica? Continue a leitura do artigo e descubra.

Quais cirurgias podem ser feitas usando minilaparoscopia?

 

A minilaparoscopia pode ser utilizada com segurança e eficiência em alguns tipos de operação.

Ela é uma excelente alternativa para pacientes que precisam de colecistectomia, por exemplo, que é a cirurgia para retirada de pedras na vesícula.

Além disso, a técnica pode ser usada em cirurgias para tratar refluxo gastroesofágico (hérnia de hiato) e também em procedimentos que tratam hérnias inguinais.

A opção minimamente invasiva também vale para quem precisa fazer laparoscopias diagnósticas, biópsias hepáticas e laparoscopias ginecológicas.

As vantagens da minilaparoscopia

 

Vamos, então, reforçar os benefícios de escolher a minilaparoscopia como técnica cirúrgica?

Antes de mais nada, é importante colocar que ainda que o resultado geral seja similar ao de quem faz cirurgia de laparoscopia tradicional, em termos de impacto estético, a minilaparoscopia consegue ser superior. 

A marca que fica depois da cirurgia é de uma pintinha ou pequeno sinal, de tão pequena, e o tempo médio de cicatrização é em média de uma semana. 

Se beneficiam ainda pacientes com problema de cicatrização, como queloides e cicatrizes hipertróficas, como o trauma ou lesão na pele é significativamente menor, a resposta cicatricial deles tende a ser mais próxima da normalidade e não patológica como acontece com lesões maiores.

Além disso, a alternativa assegura menor tempo de recuperação pós-operatória, o que significa recuperação bem mais rápida, e menos dor.

Ainda não acabou...

Em uma cirurgia laparoscópica de pequena a médio porte, em geral, o período de internação hospitalar pode ser inferior a um dia, em alguns casos é possível alta hospitalar após 12 horas de observação.

Quando comparada com uma cirurgia tradicional aberta, o tempo e custo de internação pode fazer bastante diferença.

Portanto, a minilaparoscopia associa a eficiência da laparoscopia com uma possibilidade de melhor satisfação do paciente em relação a aparência das cicatrizes.

Existe contraindicação para operar usando essa técnica?

A técnica de minilaparoscopia, em geral, não é recomendada para pessoas diagnosticadas com obesidade importante.

 Ela também não é a melhor opção para pacientes que já fizeram várias cirurgias na região abdominal.

 Entretanto, nunca é demais lembrar que só quem pode fazer essa constatação é o médico especialista e experiente nesta técnica depois de avaliar o paciente e o caso.

 A minilaparoscopia é um exemplo de que a tecnologia está trabalhando a nosso favor. Gostou desse conteúdo? Compartilhe usando as redes sociais.


Agende sua consulta agora.

Obrigado. Em breve entraremos em contato.
Ops... Alguma coisa deu errada. Tente atualizar a página.